Bem-vindo ao meu blogue

PRÉMIO

PRÉMIO
Prémio de Excelência da ANPÓS (Brasil)

SIGA-ME NO FACEBOOK


Conferências Internacionais

Conferências Internacionais
Contate-me para meus emails (lado direito)

QUANDO AS EMOÇÕES NOS APRISIONAM


Todas as doenças são psicossomáticas visto que envolvem funções orgânicas e estados e processos mentais. No seu estudo está a Medicina Psicossomática propriamente dita e que representa um novo paradigma médico.

Ela relaciona-se, por exemplo, com a Medicina Integral, em que corpo e mente não mais são entendidas como entidades separadas mas integradas num todo que é o Kosmos (toda a unidade total do Universo, das coisas espirituais aos objectos inanimados e às matérias científicas).

Sabemos que a saúde e a doença são resultantes de múltiplas linhas de força, biológicas, psicológicas, culturais e sociais. Uma mesma doença desenvolve-se de forma particular em cada caso, em cada pessoa, em cada época, em cada lugar, em cada contexto. Não obstante, o contexto psicológico e emocional têm, na saúde, uma importância extraordinária.

A palavra “psicossomático” vem do médico Heinroth, em 1818. Ele sabia que as emoções influenciavam as doenças. Também criou o termo “somatopsíquico” para dizer que o corpo também modifica a psique. Em 1876, outro autor, Maudsley, escrevia que “se uma emoção não se libertar, fixar-se-á nos órgãos e perturbará o seu funcionamento”.

Actualmente, tem-se consciência que os factores responsáveis pela saúde ou pela doença constituem um SISTEMA no qual os factores psíquicos e comportamentais assumem valores diferentes na origem (patogénese) das diferentes doenças.

Já as perturbações somatoformes (as doenças que afectam o estado psíquico) são consideradas plurifactoriais onde interagem factores genéticos, emocionais, as crenças de saúde e de doença de cada pessoa, certas características da personalidade assim como acontecimentos da vida. Na maior parte dos casos, os pacientes apresentam uma mistura de factores orgânicos e psicológicos em qualquer doença, influenciando-se uns aos outros.

A verdade é que a mente (a sua natureza, a personalidade, os conteúdos de pensamento, os estados emocionais e outros factores) afecta a susceptibilidade de cada um a qualquer doença e pode até ter uma influência substancial no seu envelhecimento e na natureza e no momento da sua eventual morte.

Nelson S. Lima